Quarta-Feira, 01 de Setembro de 2021 - 16:50 (Agricultura)

L
LIVRE

Alerta fitossanitário para cigarrinha do milho

É importante fazer este controle, especialmente neste momento do início do plantio, o qual repercutirá na condição de infestação para o restante da safra, completa Felicetti.


Imprimir página

A Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) emitiu alerta fitossanitário para a ocorrência da cigarrinha do milho, nas lavouras de milho do Rio Grande do Sul.

O alerta é baseado em estudo desenvolvido pela Secretaria da Agricultura e pela Emater/RS-Ascar, sob a coordenação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que juntas fizeram o monitoramento das lavouras de milho afetadas e nos relatos de ocorrência recente nas lavouras já nos estágios iniciais desta safra, somado ao histórico de infestações da safra anterior. Veja detalhes aqui

"Nós solicitamos a atuação dos colegas em orientar entidades, cooperativas, empresas de insumos, responsáveis técnicos e produtores rurais nas ações de rotina, adicionando este alerta às atividades", destaca Ricardo Felicetti, chefe da divisão de defesa sanitária vegetal da Seapdr.

É importante fazer este controle, especialmente neste momento do início do plantio, o qual repercutirá na condição de infestação para o restante da safra, completa Felicetti.

Principais recomendações

As principais recomendações são: eliminar plantas de milho espontâneas da entressafra; utilizar cultivares tolerantes à cigarrinha e enfezamento ; efetuar o tratamento fitossanitário de sementes; efetuar o plantio do milho evitando a proximidade de lavouras novas a lavouras mais velhas ou áreas com ocorrência de infestação anterior; evitar semeadura sucessiva de milho na mesma área; otimizar o planejamento da cultura, preferindo períodos ótimos em detrimento de semeaduras tardias; objetivar diminuir as perdas de grãos durante a colheita; e efetuar o controle da cigarrinha do milho conforme orientação técnica.

Monitoramento

O monitoramento foi realizado entre abril e maio deste ano em 151 municípios gaúchos, quando foram observadas as maiores infestações. Neste período, foram colhidas 179 amostras em lavouras de milho. As amostras foram encaminhadas para o Laboratório Federal de Goiás (LFGO) para identificação dos patógenos associados ao complexo do enfezamento do milho e levantamento de dados para caracterização epidemiológica.

As análises identificaram a presença dos patógenos associados ao enfezamento em 44% das amostras. "Isso evidencia o risco de aumento da ocorrência de enfezamento do milho nesta safra, já que é a cigarrinha que transmite esses patógenos e eles estão ocorrendo em diversas regiões do estado", afirma Felicetti.

Para maiores informações sobre o manejo e orientações de ingredientes ativos para controle, a recomendação é utilizar o documento Manejo da cigarrinha e enfezamentos na cultura do milho.

Divulgação Seapdr- RS

Como planejar uma safra e monitorar sua fazenda?

Otimizar o plantio, ficar de olho no Clima para avançar com os trabalhos no campo e observar o desenvolvimento da cultura para evitar perdas são algumas das decisões que você produtor rural precisa tomar durante a safra.

Agroclima Pro é um serviço de tecnologia da Climatempo que utiliza o conhecimento meteorológico. Com ele você pode acessar o histórico de dados de Clima para sua fazenda e pode detectar áreas com menor vigor vegetativo. Além disso, você fica sabendo como será a demanda hídrica da sua lavoura nos próximos 15 dias e ainda consegue identificar os melhores dias e horários para realizar as pulverizações.

Sobre a Climatempo

Com solidez de 30 anos de mercado e fornecendo assessoria meteorológica de qualidade para segmentos estratégicos, a Climatempo é sinônimo de inovação. Foi a primeira empresa privada a oferecer análises customizadas para diversos setores do mercado, boletins informativos para meios de comunicação, canal 24 horas nas principais operadoras de TV por assinatura e posicionamento digital consolidado com website e aplicativos, que juntos somam 20 milhões de usuários mensais.
 

Em 2015, investiu na instalação do LABS Climatempo, no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP), que atua na pesquisa e desenvolvimento de soluções para tempo severo, energias renováveis (eólica e solar), hidrologia, comercialização e geração de energia, navegação interior, oceanografia e cidades inteligentes. Em 2019, a Climatempo passou a fazer parte do grupo norueguês StormGeo, líder global em inteligência meteorológica e soluções para suporte à decisão, e dois anos depois, em 2021, uniu-se à Somar Meteorologia, formando a maior companhia do setor na América do Sul. A fusão das duas empresas impulsiona a Climatempo a ser protagonista global de fornecimento de dados e soluções para os setores produtivos do Brasil e demais países da América Latina, com capacidade de oferecer informações precisas de forma mais ágil e robusta.

O Grupo Climatempo segue presidido pelo meteorologista Carlos Magno que, com mais de 35 anos de carreira, foi um dos primeiros comunicadores da profissão no país.

Fonte: 010 - Assessoria de Comunicação da Climatempo

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias