Segunda-Feira, 16 de Agosto de 2021 - 14:53 (Saude)

L
LIVRE

Planificação da atenção à saúde primária busca reduzir lotação hospitalar e obtém credibilidade da população

O projeto funciona com uma concepção educacional diferenciada: sucessivas oficinas tutoriais complementam oficinas teóricas, facilitando a macro Atenção Primária à Saúde (APS), somando-a aos hospitais.


Imprimir página

A Planificação da Atenção Primária à Saúde integrada à Atenção Ambulatorial e Hospitalar Especializada nas Redes de Atenção à Saúde vem obtendo resultados satisfatórios com medidas do Governo de Rondônia, garantindo eficiência e condições de trabalho, e no fomento à melhoria das Unidades Básicas de Saúde (UBS), nos municípios.

O projeto funciona com uma concepção educacional diferenciada: sucessivas oficinas tutoriais complementam oficinas teóricas, facilitando a macro Atenção Primária à Saúde (APS), somando-a aos hospitais.

Segundo explicou a coordenadora do Sistema de Apoio à Descentralização, Marta Duarte, esse projeto agrega valor à Unidade Básica de Saúde, obtendo consequentemente a credibilidade da população.

“A planificação tem resultado em mudanças nos métodos de trabalho das equipes nas unidades, entre os quais, a redução dos atendimentos nos pronto socorros hospitalares, internações e reinternações de pacientes”, disse Marta.

A coordenadora observou ainda que, “se a atenção primária estiver bem organizada nas unidades básicas, trabalhando de uma forma completa, realizando os macro e microprocessos, conforme orienta a metodologia, provavelmente haverá redução da procura às unidades de pronto atendimento e hospitalares.

GESTANTES, CRIANÇAS E ALTO RISCO

 

A 1ª Oficina da Planificação mobilizou 850 trabalhadores de APS e Atenção Ambulatorial Especializada (AAE) na região do Café em abril de 2017. O 1º ciclo foi encerrado em novembro daquele ano. 

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) definiu seis unidades básicas nos municípios da região do Café: de laboratório para APS e o Centro de Saúde da Mulher de Cacoal, como laboratório para AAE.

Na segunda fase do projeto, em 2018, cinco oficinas aconteceram nas regiões de Saúde Central, Vale do Guaporé e Cone Sul, definindo 26 unidades laboratórios da APS; duas AAE, nos municípios de Ji-Paraná e Vilhena, para atuação conjunta entre a APS e AAE no manejo do plano de cuidados de gestantes e crianças em condição de risco.

A Coordenadoria do Sistema de Apoio à Descentralização trabalhou na elaboração, publicação e funcionamento do Protocolo de Assistência ao Pré-Natal, Puerpério e Recém-Nascido, inserindo a utilização da Ficha de Estratificação de Risco Gestacional. Naquele ano, foram realizadas cinco oficinas de planificação e cinco tutoriais, qualificando 3.075 profissionais em 24 municípios. 

Em Ji-Paraná (sul do Estado), a 367 quilômetros de Porto Velho, com o apoio do Governo de Rondônia e do Conselho Nacional de Secretários de Saúde, a prefeitura inovou na reorganização dos processos de trabalho. Ali funciona atualmente o bloco de horas, atendimento com hora marcada que evita filas de espera nas UBS.

Desde o início do novo modelo, pacientes das unidades das UBS, Dois de Abril, Dom Bosco e Nova Brasília são atendidos no dia e horário previamente marcados. E pode ser por telefone.

Desde a triagem até a consulta, o histórico do paciente fica registrado no sistema de maneira segura. Isso facilita para que o médico faça melhor acompanhamento do paciente.

PRINCIPAIS MELHORIAS

Segundo a coordenadora, Marta Duarte, a avaliação dos 1º e 2º ano resultou em grandes melhorias. Ela alinha as  principais:

► Reformas e pinturas de unidades laboratórios nas regiões do Café, Central, Guaporé e Sul. Também houve reorganização do ambiente de salas e consultórios.
► Definição de fluxos internos para o acompanhamento do usuário no percurso da assistência em todas as Unidades Laboratório;

► Identificação visual externa e interna das salas e consultórios das Unidades Laboratório;
► Territorialização, ou seja, atualização dos mapas das áreas adscritas, dessas Unidades, redimensionando a população de abrangência;
► Cadastramento das famílias por área de abrangência pelos agentes comunitários de saúde, seguindo a estratificação de risco familiar de acordo com a escala de Coelho-Savassi [de vulnerabilidade familiar];
► Cadastramento dos usuários no e-SUS; procedimentos operacionais padrões dos setores de recepção, esterilização, higienização, limpeza e imunização; organização do sistema de arquivamento e guarda dos prontuários; bloco de horas para as consultas;  prontuário eletrônico; identificação dos profissionais com uniformes e crachás; melhoria da relação interpessoal nas equipes; reorganização das atribuições dos profissionais;

COMPOSIÇÃO DO GRUPO CONDUTOR

Todo o projeto é fruto da recomposição do Grupo Técnico Condutor Estadual da Planificação da Atenção à Saúde.
Em reunião ordinária no dia 22 de julho, o gestor da Secretaria de Estado da Saúde Fernando Máximo, com base na política nacional do setor, via SUS, aprovou esse grupo que conta com a participação dos seguintes órgãos/setores:

  • Assessoria Técnica da Sesau;

  • Coordenadoria do Sistema de Apoio à Descentralização Coordenadoria de Assistência Integral;

  • Gerência de Programas Estratégicos;

  • Agência Estadual de Vigilância em Saúde;

  • Centro de Referência em Saúde do Trabalhador de Rondônia;

  • Secretaria Executiva da Comissão Intergestores Bipartite;

  • Coordenadoria de Gestão e Assistência Farmacêutica;

  • Conselho de Secretários Municipais de Saúde;

  • Centro de Educação na Área de Saúde; 1ª a 6ª Gerências Regionais de Saúde. 

Fonte: 010 - SECOM - GOV/RO

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias