Quarta-Feira, 30 de Junho de 2021 - 15:06 (Geral)

L
LIVRE

Porto Velho também registra ‘tímida’ manifestação contra Marco Temporal

A matéria chegou à CCJ, vem sendo analisada pelos parlamentares e corre o risco de passar para apreciação no plenário.


Imprimir página

Um grupo formado por indígenas e ativistas sociais de Rondônia estiveram hoje (30) na Praça das Três Caixas D’Água protestando e disseram “não ao Marco Temporal”. O ato faz parte de um movimento nacional que objetiva pressionar os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) que vão retomar o julgamento do recurso extraordinário, com repercussão geral, sobre um dos territórios indígenas.

A manifestação que teve início por volta das 9 horas contou com pouco mais de 20 pessoas, no entanto, contribuiu para o fortalecimento de uma pauta que se estende por meses no país: “As terras indígenas devem ser ou não demarcados?”.

Além do julgamento do STF agendado para essa quarta-feira, existe em curso na Câmara Federal a tramitação do Projeto de Lei 490/2007 que anularia o processo de demarcação de terras indígenas no país. A matéria chegou à CCJ,  vem sendo analisada pelos parlamentares e corre o risco de passar para apreciação no plenário.

Durante o ato realizado em um dos cartões postais de Porto Velho, os manifestantes que na maioria eram do movimento “Juventude Indígena de Rondônia” repudiaram a ausência efetiva do Governo Federal na saúde indígena durante a pandemia, pediram o impedimento do presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) e enfatizaram que são contrários ao PL e ao processo no STF.

“É verdade que estamos em poucas pessoas aqui, mas precisamos dizer 'não' ao marco temporal, 'não' ao PL, 'não' aos projetos que estão acabando com os indígenas. A aprovação dessas pautas vai causar mais sofrimento na população indígena. Ainda que poucos, a gente vai continuar resistindo, afinal, são mais de 1.500 anos que estamos lutando no país por nossas vidas, nossos territórios, nossas culturas”, disse a Txai Suruí, coordenadora do Movimento da Juventude em Rondônia. 

Fonte: NewsRondonia

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias