Sabado, 23 de Janeiro de 2021 - 11:12 (Colaboradores)

L
LIVRE

Rita Queiroz desenvolve projetos culturais na pandemia

O principal deles é o livro no qual contará toda sua trajetória de 40 anos de envolvimento com as artes plásticas.


Imprimir página

Vivendo sob clausura desde o início da pandemia do Covid-19, a deusa dos pinceis está trabalhando em um projeto audacioso, um não, melhor corrigir e dizer três ou quatro. O principal deles é o livro no qual contará toda sua trajetória de 40 anos de envolvimento com as artes plásticas.

Rita está preparando um livro, cujo título preliminar é Andando pelas Picadas – Arte e Vida da Artista Plástica Rita Queiroz. A publicação será dirigida aos jovens em idade escolar, todavia com potencial para gerar interesse entre artistas, gestores culturais, professores, jornalistas, ambientalistas, pesquisadores, historiadores e outros.

Nele, além da vida da pintora, também serão abordados aspectos do contexto social de cada período, ao longo dos 40 anos de atuação da artista.

A publicação faz parte de um projeto governamental coordenado pela Superintendência da Juventude, Cultura, Esporte e Lazer (Sejucel), cuja proposta inscrita pela pintora foi aprovada. Serão mil exemplares destinados a distribuição gratuita em escolas públicas, universidades, bibliotecas, centros culturais, fundações, associações de cunho cultural, museus e outras entidades afins estabelecidas em Rondônia.

“Não será um livro tradicional com longos textos, mas com muitas ilustrações e imagens”, explica a autora. Segundo ela, estão engajadas neste projeto a filha Luna Pini e as netas Luna Lorena e Ana Rita, além da jornalista Alice Thomaz.

Rita abraçou todos os projetos como um grande desafio. Por telefone instrui seus colaboradores, enquanto ela mesma se ocupa de alguns detalhes. Além do livro, estão sendo elaborados três vídeos nos quais são destacados os trabalhos desenvolvidos ao longo das últimas quatro décadas. A Coleção Descamação Celular, que estreou em 2009 e que está no Museu da Memoria Rondoniense, é uma das molas principais dos vídeos.  “A aprovação nos editais foi uma coisa muito boa, porque além de me ocupar a mente, também está me dando mais uma oportunidade de mostrar um pouco da nossa história, das batalhas que travamos para vencer todos esses anos”.

Os projetos são da Lei Aldir Blanc, patrocinados pelos governos federal e estadual (por meio da Sejucel) e estão inclusos nos editais Marechal Rondon, Pacaás Novos, Mary Cyanne e Mestre Aluízio Guedes.

Atenta às orientações de familiares, Rita se mantem em isolamento social desde o inicio da pandemia recebendo pouquíssimas pessoas e fazendo a profilaxia recomendada pelas autoridades sanitárias. “Na verdade, não tem sido fácil, mas estamos tentando vencer este momento que tem se prolongado e aguardando que a vacina chegue o quanto antes, para nos trazer um pouco de tranquilidade”.   

Fonte: NewsRondonia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias