Sexta-Feira, 06 de Abril de 2018 - 17:03 (Geral)

L
LIVRE

TJRO REFORMA DECISÃO E DETERMINA O PROSSEGUIMENTO DE ATERRO SANITÁRIO - JI-PARANA

Aterro sanitário no município de Ji-Paraná pode ser uma realidade a seus moradores e de municípios adjacentes, após uma decisão, por maioria de votos (decisão colegiada) dos desembargadores da 1ª Câmara Especial do Tribunal de Justiça de Rondônia.


Imprimir página

Aterro sanitário no município de Ji-Paraná pode ser uma realidade a seus moradores e de municípios adjacentes, após uma decisão, por maioria de votos (decisão colegiada) dos desembargadores da 1ª Câmara Especial do Tribunal de Justiça de Rondônia, reformando a decisão do juízo de 1º grau que determinava a suspensão das obras do aterro, em razão de suposto impacto ambiental na região. A decisão colegiada foi conforme o voto divergente do desembargador Gilberto Barbosa.

A suspensão das obras deu-se numa ação civil pública proposta pela Associação dos Produtores Rurais Nossa Senhora Aparecida, sobre a qual a empresa MFM Soluções Ambientais Ltda., inconformada, recorreu para o Tribunal de Justiça, onde o caso foi reanalisado e determinado o prosseguimento das obras.

A Associação pedia a manutenção da decisão do juízo de 1º grau. Em sua defesa sustentou que as obras sendo realizadas nos lotes 36 e 37, da linha 11, sessão “b”, da gleba Períneos, no município de Ji-Paraná, possibilitariam causar dano ao meio ambiente, à saúde dos que habitam os imóveis vizinhos e em água de córregos próximos às obras.

De acordo com o voto do desembargador Gilberto Barbosa, em análise dos documentos juntados nos autos processuais, as obras não mostram perigo de dano ao meio ambiente, inclusive a “própria associação autora sustenta tão somente possibilidade de dano”. “Ademais, é preciso que se tenha em conta que há dois momentos distintos para esse tipo de empreendimento, o da construção e o da operação, com licenças distintas”. E no momento está cuidando somente do projeto da licença de construção do aterro, que já conta “com estudo prévios favoráveis no que respeita ao impacto ambiental”.

Conforme o voto, atualmente, no local onde se pretende construir o aterro sanitário já existe o denominado “lixão de Ji-Paraná, com depósitos sólidos de Municípios adjacentes”. Para o relator, o local escolhido pelo ente público mostra-se “apropriado para construção de aterro sanitário”. Além do mais, não há previsão de desmatamento, assim como de outras degradações ao meio ambiente. O projeto de construção prevê uma série de providências, como impermeabilização do solo para evitar contaminação no lençol freático e reflorestamento, se necessário.

Além disso, a Associação não comprovou, nos autos de agravo de instrumento, prévio ou posterior impacto ambiental. Para o desembargador Gilberto, “manter suspensa a obra enquanto tramita a ação originária com fundamento em singelas alegações de que poderá advir danos ambientais é, não se tenha dúvida, privilegiar, de forma pouco razoável, o interesse de alguns poucos associados da entidade agravada em detrimento (prejuízo) da coletividade”.

Agravo de Instrumento n. 0801922-35.2015.8.22.0000, julgado no dia 22 de março de 2018.

Fonte: 015 - Assessoria

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias