Quarta-Feira, 27 de Janeiro de 2016 - 11:10 (Economia)

L
LIVRE

COMO LUCRAR COM MILHAS EM TEMPOS DE CRISE E GANHAR UM DINHEIRO EXTRA

Saiba porque a venda de milhas é uma boa oportunidade em tempos de passagens aéreas caras e dólar alto

Cada vez menos brasileiros estão viajando – é o que aponta um estudo recente da Fecomércio. O dólar alto influenciou diretamente no custo das passagens, hospedagens e até as despesas mais básicas, levando muitas pessoas a desistirem da tão sonhada viagem de férias.

Como se não bastasse, a crise econômica ainda acarretou em aumento de impostos para viagens internacionais. O Governo não renovou a isenção do Imposto de Renda para remessas ao exterior. Desde o início do ano, a empresa que realizar remessas internacionais terá que pagar 25% de imposto retido na fonte. O que isso significa? Aumento de custo para agências de viagens e intermediários de serviços prestados no exterior. Consequentemente, encarecimento dos pacotes de viagem e repasses desses custos para o consumidor final.

Nem o turismo local escapou da avalanche de aumentos. Fatores como aumento do combustível e a inflação alta tem afetado o interesse das pessoas em viajar até mesmo para destinos nacionais. O que o brasileiro realmente quer é evitar gastos, e em alguns casos, aproveitar a folga para fazer um trabalho temporário para aumentar a renda familiar.

Programas de Fidelidade

É um cenário que realmente requer novos hábitos! Há cerca de 6 anos atrás o país vivia um momento totalmente diferente, o crescimento econômico e a estimulação do consumo levaram os brasileiros a aderirem às facilidade do transporte aéreo.

Com mais pessoas viajando, as empresas aéreas investiram na popularização dos programas de fidelidade. Esses programas podiam ser extremamente vantajosos na época, pois através do cadastramento, os clientes que sempre voavam pela mesma companhia ou faziam gastos através de cartões de crédito parceiros, poderiam utilizar os pontos acumulados para conseguir passagens mais baratas.

Porém, diante da situação atual, a cultura do brasileira está mudando radicalmente. Mesmo com pontos acumulados, muitas pessoas optam por adiar a viagem e evitar despesas que possam comprometer o orçamento.

Essa mudança já foi percebida pelos principais programas de fidelidade. A queda da procura por passagens e dos pontos acumulados através do uso de cartões de crédito está fazendo com que as principais empresas reduzam o número de voos e assentos disponíveis para este tipo de aquisição. De acordo com a TAM, somente no terceiro trimestre de 2015 houve queda mais de 10% no acúmulo de pontos dos clientes em comparação com o mesmo período do ano anterior. Além de tudo isso, a valorização do dólar ainda resulta em menor acúmulo de pontos, já que o cálculo de conversão é feito com base na moeda americana.

Venda de milhas

Qual seria então a opção para aqueles que não desejam viajar pois não querem impactar o orçamento da família, mas ainda assim querer fazer uso das milhas acumuladas? Empresas especializadas na compra de milhas tem ganhado espaço no mercado e podem ser uma alternativa para aqueles que desejam conseguir um dinheiro extra.

O negócio é bastante simples: o cliente que possui um saldo de pontos acumulados nos principais programas e passa os dados do programa de fidelidade para a empresa que, por sua vez, analisa e valida as informações para estimar o valor das milhas. Com o orçamento em mãos o cliente decide se deseja vender seus pontos e, após a autorização, recebe o pagamento correspondente.

De acordo com Francisco Lobo da empresa CashMilhas “É um meio de evitar perdas, as vezes o cliente tem um saldo significativo a expirar, mas não pode viajar ou simplesmente não tem o interesse. Em casos como esse é extremamente interessante vender as milhas, podendo ser até mais vantajoso do que o resgate de prêmios oferecidos pelos programas.”

Esse tipo de negociação também pode ser feita para pontos acumulados em cartões de crédito parceiros dos principais programas como TAM Fidelidade, Smiles (Gol), TudoAzul (Azul) e Amigo (Avianca), e outros programas de fidelidade de companhias internacionais. Cada empresa estipula um saldo mínimo para negociação das milhas e os valores pagos variam de acordo com fatores de mercado, mas no geral os preços costumam ser mais atrativos do que a conversão oferecida pelas companhias aéreas.

Legalidade e privacidade

Uma das principais questões levantadas pelas pessoas é quanto a legalidade do negócio. No Brasil não existe nenhuma lei específica que proíba a venda de milhas aéreas ou que aborde esse comércio, portanto vender milhas não uma prática ilegal. O que o associado tem que ter em mente é que os programas de fidelidade possuem regras muito especificas, que podem penalizar algumas práticas e responsabilizar o cliente por ações deliberadas.

O próprio sistema desses programas permite que o titular faça resgates em favor de outra pessoa. Logo, a pessoa que deseja vender milhas deve ser extremamente cautelosa quanto a escolha da empresa com a qual negociará seus pontos. “É essencial que uma pesquisa cuidadosa seja feita quanto a idoneidade da empresa, afinal, o cliente fornecerá dados pessoais na transação. Na Cashmilhas adotamos medidas para garantir a segurança do cliente: Nunca efetuamos o resgate antes do pagamento e possuímos sistemas que garantem a confidencialidade dos dados.” – enfatiza Francisco Lobo.

Pontos como esse são fundamentais para assegurar que as pessoas não caiam em fraudes. A falta de cautela dos próprios associados permite que estelionatários se aproveitem dessas brechas no sistema para realizar golpes. Portanto pesquisar o histórico e as informações da empresa são passos fundamentais antes de negociar suas milhas.

Acumulando pontos

Para os que estão interessados em acumular mais pontos, existem diversos outros serviços do dia-a-dia que também podem ser convertidos em milhas aéreas.

Postos de gasolina: diversos postos trabalham com cartões exclusivos que também permitem o acúmulo de pontos além de outros benefícios;

Seguros: algumas operadoras também oferecem este tipo de vantagem ao realizar a contratação de um seguro de vida, automóvel, etc.;

Serviços de viagem: hospedagem, aluguel de carros, entre outros podem garantir ganho de pontos;

Assinatura de jornais e revistas: algumas editoras trabalham em parceria com programas de fidelidade, oferecendo facilidades a assinantes.

Serviços diversos: vários estabelecimentos também trabalham com sistema de pontos: farmácias, estacionamentos, casas de entretenimento, casas de câmbio, entre outros.

Tempos de crise como o que o Brasil atravessa são sem dúvida desafiadores, porém estes momentos de dificuldade também podem representar oportunidade para aqueles que aproveitam as chances inovando e se adaptando à nova realidade. Fazer usos de benefícios como os pontos e milhas acumulados sem dúvida é uma forma inteligente de aproveitar recursos, seja para viajar ou para conseguir uma renda extra.

Fonte: assessoria de comunicação

Link: http://www.newsrondonia.com.br/noticias/como+lucrar+com+milhas+em+tempos+de+crise+e+ganhar+um+dinheiro+extra/69956

News Rondônia