Quarta-Feira, 27 de Janeiro de 2016 - 10:32 (Colaboradores)

L
LIVRE

AOS POBRES E ABANDONADOS, SÓ RESTA MESMO AS SUAS RAÍZES

Assinaram documentos autorizando a demolição das casas e aceitaram mudar para outros imóveis, conseguidos em projetos habitacionais. Até quando ficarão em suas novas residências, ninguém sabe!

De um lado, luta-se por mais casas populares. E, de outro, se tem que demolir outras, construídas em locais perigosos e impróprios. Está  assim  a situação de Porto Velho. Há váriosconjuntos habitacionais em obras e outros já entregues, mas, ao mesmo tempo, um plano executado pela Defesa Civil para demolir  302 casas. Todas elas  irregularmente construídas nas margens o rio Madeira, algumas a poucos metros do leito do rio. As demolições poderão atingir mais imóveis, até porque  a ação está devidamente autorizada pela Justiça. O risco é repetir o que tem acontecido em todas as vezes em que as autoridades retiram moradores das áreas de risco.  Eles ganham apartamentos e casas populares, geralmente em bairros distantes e, poucos meses depois, sem conseguirem se adaptar, dão um jeito de voltar para suas raízes, mesmo com todo o perigo e os riscos constantes. Gente que viveu longos anos em bairros como  São Sebastião, Nacional, Baixa da União e Triângulo, entre outros, terão que se mudar.

O que tem que ser feito, agora, para que não se repitam  os mesmos erros do passado, é  a Prefeitura tomar posse definitiva das  áreas a serem desocupadas neste novo mutirão. É necessária uma rígida fiscalização, isolamento dos terrenos, vigília constante para que  não ressurjam novas moradias e recomece tudo de novo.  Quem  mora perto do rio, em pleno centro, não quer ir para a periferia, vivendo em regiões longe de tudo e cercado de desconhecidos. É gente que sobrevive à pobreza e à  miséria e que não teme os riscos. É gente  aquem restou mesmo apenas suas poucas raízes. E que não quer perder o tão pouco que ainda tem.  

A VOLTA DE ODACIR

Há um personagem que reaparece na política rondoniense, depois de muitos anos e que até pode surpreender, na disputa pela Prefeitura de Porto Velho. O ex senador Odacir Soares, que também já foi Prefeito da Capital, anda batendo suas asas, à espera de um espaço que lhe permita tentar uma volta por cima no quadro político local. Em sua rede de rádio (Rádío Rondônia, presente em grande número de cidades do Estado), com comentários rápidos sobre problemas da cidade, ele tem se mostrado atento e com a língua tão afiada como sempre. Será que Odacir vai mesmo para a briga?

GLAUCIONE IMBATÍVEL?

Já em Cacoal, quem poderá enfrentar a deputada Glaucione Rodrigues? Ela aparece disparada em primeiro lugar, em qualquer  pesquisa que se faça na cidade. Além de tudo, Glaucione ainda tem uma vantagem: grande parte do eleitorado está coma consciência pesada de ter votado no Padre Franco, que está realizando um segundo mandato pífio e cheio de problemas. Glaucione só teria dificuldades se fosse enfrentar o empresário e ex prefeito Divino Cardoso,cujo nome é sempre lembrado em época eleitoral. Mas, ao que tudo inbdica, vai acontecer de novo o que tem ocorrido nas últimas disputas. Fala-se em Divino, mas  ele não vai...

OS DONADON VOLTAM

Em Vilhena, as perspectivas são de que os  Donadon voltarão a dominar a Prefeitura.O quadro é esse,  a essas alturas os acontecimentos.  Se entrasse na disputa, o competente deputado Luizinho Goebel teria chances reais, mas ele não parece disposto a deixar sua cadeira na Assembleia, onde cumpre novo mandato. Por isso, as chances de Rosani Donadon, esposa do ex prefeito Melki Donadon estão crescendo. O grupo do atual prefeito, Zé Rover, está em baixa, desde a operação policial que envolveu assessores diretos do Prefeito. Se não surgir nenhum nome novo, Vilhena voltará, sem dúvida, para o controle dos Donadon.

UM GINÁSIO ABANDONADO

Pode ser só encenação, mas também pode ser verdade. Durante esta terça, equipes do DER fizeram uma detalhada vistoria no Ginásio Fidoca, uma obra grandiosa que está abandonada há muitos anos. Localizado no bairro Agenor de Carvalho, o prédio está caindo aos pedaços.  Hoje é pouco mais que um grande prédio abandonado, utilizado como casa de pombos. É mais uma das inúmeras obras abandonadas na Capital. O DER prometeu que agora vai dar um jeito. Tomara mesmo, porque o Fidoca é de grande importância para muita gente da área em seu entorno.

ENCHENTE DE NOVO

O rio Madeira está enchendo de novo. Faltava, na terça, pouco mais de um metro para que ele atingisse a cota de alerta. Quando chegar aos 14 metros, a Defesa Civil começa a agir, retirando famílias das áreas consideradas de risco. Na enchente histórica, o Madeirão chegou até a 19 metros e 75 centímetros, inundando grande parte da cidade e deixando milhares de pessoas desabrigadas. Neste ano, a previsão é que ele não chegue a tal ponto, mas haverá enchente e o número de desabrigados será  novamente grande. Uma pena!

PERGUNTINHA

Será que com a CPI dos Frigoríficos, que o presidente da Assembleia, Maurão de Carvalho, está propondo, vai mesmo mostrar a malandragem dessas empresas, que criaram um cartel para explorar nossos produtores?

Fonte: Sergio Pires

Link: http://www.newsrondonia.com.br/noticias/aos+pobres+e+abandonados+so+resta+mesmo+as+suas+raizes/69952

News Rondônia