Quinta-Feira, 07 de Maio de 2020 - 09:04 (Agronegocios)

L
LIVRE

RONDÔNIA LANÇA CARTILHA COM ORIENTAÇÕES DA SAFRA DE CAFÉ 2020

A publicação traz especificamente orientações sobre colheita, pós-colheita, secagem e armazenamento dos Robustas Amazônicos.

A Secretaria de Estado da Agricultura - Seagri, em parceria com a Embrapa Rondônia e apoio de várias instituições do Estado, disponibilizou a cartilha "Robustas Amazônicos - Estratégias para a safra 2020" com recomendações de boas práticas agrícolas na produção dos cafés robustas para otimizar o rendimento dos grãos e melhorar a qualidade da bebida, incluindo estratégias de prevenção contra o novo coronavírus. A publicação traz especificamente orientações sobre colheita, pós-colheita, secagem e armazenamento dos Robustas Amazônicos.

Como uma das medidas iniciais de prevenção da COVID-19, pandemia cujo pico de contaminação no Brasil está previsto para este mês de abril, a Cartilha orienta que a colheita dos cafés Robustas Amazônicos comece somente a partir deste mês de maio, muito embora a Lei estadual nº 3.516, de 2015, estabeleça 10 de abril como o dia de início da colheita do café no estado de Rondônia. Tal orientação se baseia no fato de que o atraso no início da colheita não causará prejuízos ao cafeicultor, pois é uma característica da espécie robusta o não desprendimento dos frutos após a maturação.

Ainda com relação aos cuidados que devem adotados para evitar o contágio do novo coronavírus, a cartilha "Robustas Amazônicos - Estratégias para a safra 2020" estabelece cuidados necessários no campo e no transporte dos trabalhadores. De acordo com as orientações, o veículo deve ser higienizado antes e depois de cada viagem, e as janelas mantidas abertas, bem como o trabalhador deve higienizar as mãos com álcool em gel 70% antes de entrar no veículo. E, no veículo, deve sentar-se a uma distância mínima de um metro e meio de outro trabalhador e usar máscara.

Adicionalmente, nos trabalhos no campo, as orientações são para que a divisão dos colhedores seja feita por talhões ou carreiras, mantendo sempre uma distância mínima de um metro e meio entre eles; objetos pessoais e de trabalho não devem ser compartilhados; quando houver necessidade de trabalho em equipe deve-se dar preferência para formá-la com os trabalhadores que já possuam convívio familiar; incentivar os métodos de higiene pessoal como a lavagem das mãos com água e sabão. Ainda segundo a cartilha, grupos de risco devem evitar o trabalho no campo e permanecerem em isolamento doméstico.

Colheita

Com relação à colheita e pós-colheita do café, a publicação orienta iniciar a colheita quando os grãos maduros representarem pelo menos 80% dos frutos totais, de modo a obter maior rendimento na produção e uma bebida de melhor qualidade. Para lavouras clonais, a colheita deve ser feita de maneira separada, iniciando pelos clones mais precoces, seguidos dos intermediários e terminando com os tardios.

Após a colheita, os grãos devem ser deixados à sombra e depois lavados para retirada de impurezas e separação dos frutos tipo boia. A secagem deve ser iniciada no mesmo dia. No que diz respeito à secagem do café, a cartilha traz orientações para diversos sistemas, sendo recomendada a preferência por sistemas naturais, como terreiros suspensos e estufas, que possibilitam a seca mais homogênea, a preservação da integridade física dos grãos e maior qualidade da bebida. A secagem sobre lona é uma alternativa para evitar o contato direto do fruto com o solo nas propriedades que não possuam terreiros suspensos.

Caso a secagem seja feita de maneira mecânica, aconselha-se secadores com fogo indireto com a temperatura da massa de grãos não ultrapassando 55ºC. A umidade final dos grãos deve ficar entre 11% e 12%. Ao final da secagem é recomendado armazenar os grãos sobre palets em local fresco e protegido da luz e da umidade, por pelo menos 15 dias antes do beneficiamento.

Por fim, vale destacar que a cartilha ainda informa que o Concafé, maior concurso de qualidade e sustentabilidade de café robusta do Brasil, cuja 5ª edição ocorrerá neste ano, o qual distribuirá mais de R﹩ 250 mil em prêmios em duas categorias: qualidade da bebida do café e sustentabilidade da propriedade cafeeira. O período de inscrição será de 27 de abril a 7 de agosto, e o resultado e a premiação ocorrerão no dia 9 de outubro de 2020, na cidade de Cacoal em Rondônia.

Sobre a Climatempo

Com solidez de 30 anos de mercado e fornecendo assessoria meteorológica de qualidade para os principais segmentos, a Climatempo é sinônimo de inovação. Foi a primeira empresa privada a oferecer análises customizadas para diversos setores do mercado, boletins informativos para meios de comunicação, canal 24 horas nas principais operadoras de TV por assinatura e posicionamento digital consolidado com website e aplicativos, que juntos somam 20 milhões de usuários mensais.

Em 2015, passou a investir ainda mais em tecnologia e inovação com a instalação do LABS Climatempo no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP). O LABS atua na pesquisa e no desenvolvimento de soluções para tempo severo, energias renováveis (eólica e solar), hidrologia, comercialização e geração de energia, navegação interior, oceanografia e cidades inteligentes. Principal empresa de consultoria meteorológica do país, em 2019 a Climatempo uniu forças com a norueguesa StormGeo, líder global em inteligência meteorológica e soluções para suporte à decisão.

A fusão estratégica dá à Climatempo acesso a novos produtos e sistemas que irão fortalecer ainda mais suas competências e alcance, incluindo soluções focadas nos setores de serviços de energia renovável. O Grupo segue presidido pelo meteorologista Carlos Magno que, com mais de 35 anos de carreira, foi um dos primeiros comunicadores da profissão no país.

Fonte: 015 - Assessoria

Link: http://www.newsrondonia.com.br/noticias/rondonia+lanca+cartilha+com+orientacoes+da+safra+de+cafe+2020/151303

News Rondônia