Quinta-Feira, 12 de Setembro de 2019 - 10:48 (Geral)

L
LIVRE

REDUÇÃO DO NÚMERO DE ÔNIBUS PREJUDICA POPULAÇÃO DE PORTO VELHO

Semtran aponta que prioridade é atender linhas com maior fluxo de passageiros. Já o Ministério Público alega que redução de frota foi pedida na Justiça.

Entre idas e vindas, literalmente, a população vai se virando com o transporte público. Com a passagem de [poucos] ônibus à R$ 3,80, alguns buscam alternativas: táxi compartilhado (5 reais por pessoa), uma corrida de mototáxi (que em média, custa R$ 10,00) ou chamar um carro por aplicativo (dependendo da distância, se paga de 6,75 a 30 reais).

Quem não dispõe de tantos recursos financeiros todos os dias, tem que enfrentar o suplício de aguardar por muitos minutos, ou em muitos casos, até por horas. É o caso dos usuários das linhas Nacional, Presidente via Cemetron ou Presidente via Amazonas, que procuraram o News Rondônia para desabafar. “Os poucos ônibus dessas linhas ficam parados no terminal do Cai N’Água por cerca de duas horas, todos os dias. Quando questionei a demora, a cobradora informou que eles param às 10 da manhã e saem somente às 11h50. Com isso, os coletivos ficam super lotados. Os passageiros ficam sem poder descer e idosos seguem viagem sempre em pé”, destacou Ricardo Nogueira, morador da zona Leste da Capital.

Situação semelhante quem mora na zona Sul de Porto Velho e necessita de linhas como Grande Circular A ou B (via Shopping ou via Rodoviária) e outras. “Trabalho no Shopping e preciso pegar esses coletivos todos os dias. Perco horas à fio, na parada, esperando. Eu devo gastar umas duas horas esperando, para ir e voltar do emprego. Antigamente, a gente sabia os horários dos ônibus. Hoje, o jeito é esperar no sol quente ou embaixo de chuva, já que aqui, nem tem pontos cobertos”, disse Érica Cunha à reportagem, em um parada na Rua Geraldo Siqueira, bairro Conceição.

Em contato com o News Rondônia, o secretário municipal de Trânsito, Nilton Kisner, apontou que a redução da frota foi para priorizar rotas que têm mais fluxo de passageiros.

“Quando era o SIM, eram 130 ônibus para atender 80 mil usuários todos os dias. Hoje, são 86 para atender 65 mil usuários. Com a mudança, a gente utilizou uma metodologia que verificou quais linhas tinham mais usuários que pagam a passagem. Infelizmente, as gratuidades, como estudantes e idosos acabam afetando os custos e causam mais prejuízo. Em algumas linhas, a maioria dos passageiros era de gratuidades, e estava impossível manter o sistema. Então, chegamos à um acordo de reduzir a frota em algumas linhas e priorizar aquelas com maior necessidade de veículos”.

O titular da Semtran destacou que a fiscalização do sistema continua e que ao receber as reclamações, vai conferir como está o sistema. “Temos um departamento de transporte e outro de fiscalização. Quando recebemos as denúncias, vamos lá verificar. A gente está tentando oferecer um serviço de qualidade para a população sempre”, afirmou Kisner.

A promotora de Justiça Daniela Nicolai, responsável pela Promotoria do Consumidor, do Ministério Público Estadual, disse que a concorrência de várias plataformas resultou na mudança da devolução da concessão do transporte público do SIM para a Prefeitura de Porto Velho. “No início do ano, a empresa devolveu a concessão pública para o município porquê estava operando com prejuízo de 3 milhões de reais, por causa de concorrência de aplicativos, táxi compartilhado, etc. Tanto que tem uma ação que a empresa propôs, onde o juiz deu uma liminar autorizando que prestem o serviço com frota reduzida”, apontou ela.

“Eu propus alguns anos atrás, uma ação civil pública para assegurar a qualidade do transporte. Eu tenho acompanhado cada reclamação de consumidores, mas tem linhas de ônibus que estavam deficitárias. Não tinham público pagante, fora gratuidades de idosos, estudantes, etc. Sem contar que os táxis compartilhados continuam pegando os passageiros pagantes nas paradas. Em São Paulo, por exemplo, a Prefeitura quer reduzir a frota também por causa da concorrência do transporte compartilhado. A situação é bem complexa”, finalizou Daniela Nicolai.

Fonte: News Rondônia

Link: http://www.newsrondonia.com.br/noticias/reducao+do+numero+de+onibus+prejudica+populacao+de+porto+velho/136579

News Rondônia