Segunda-Feira, 20 de Março de 2017 - 16:35 (Cidades)

L
LIVRE

VILHENA RECEBE R$ 1,4 MILHÃO PARA APLICAR NA SAÚDE BÁSICA; GOVERNO PRIORIZA APOIO COM FOCO NA DESCENTRALIZAÇÃO

O município de Vilhena, no Sul de Rondônia, tem assegurado R$ 1,4 milhão para aplicar no setor de saúde.


Imprimir página

O município de Vilhena, no Sul de Rondônia, tem assegurado R$ 1,4 milhão para aplicar no setor de saúde. O anúncio foi feito na sexta-feira (17), pelo secretário estadual de Saúde, Williames Pimentel, durante reunião com a prefeita Rosani Donadon, secretários e vereadores. O secretário adjunto, Luiz Eduardo Maiorquin, participou da reunião.

O recurso – oriundo de emenda parlamentar e liberado pelo governo de Rondônia – será aplicado em custeio, compra medicamentos e equipamentos para atender a rede de atenção básica da cidade, dotada de sete Unidades Básicas de Saúde (UBS) em funcionamento. A oitava unidade de saúde está em construção e deve ser entregue ainda neste ano à população, estima a prefeita Rosani Donadon.

O secretário municipal de Saúde, Marco Aurélio Vasquez, comemorou a liberação dos recursos. De acordo com ele, a verba vai ajudar para que o município cumpra o planejamento estratégico elaborado para 2017.

O secretário Williames Pimentel disse que a liberação de emendas destinadas ao custeio dos serviços de saúde nos municípios, é mais um compromisso cumprido pelo governador Confúcio Moura. De acordo com Pimentel, o fortalecimento da rede básica de saúde – porta de entrada do Sistema Único de Saúde (SUS) – nas cidades do interior é um dos focos centrais do governo para este ano.

Segundo Williames Pimentel, com o apoio os municípios, o governo espera manter a descentralização do atendimento e, ao mesmo tempo, desafogar as unidades de média e alta complexidade nas cidades pólos.

Ele lembra que, segundo dados do Ministério da Saúde (MS), o investimento na melhoria e ampliação da atenção básica pode reduzir em até 80% o índice de doenças que se não controladas, não tratadas no porta de entrada do SUS, vão inchar as unidades de alta complexidade, como vem ocorrendo em Porto Velho.

“Das crianças atendidas em cada plantão no Hospital Infantil Cosme e Damião, por exemplo, 70% deveriam receber atendimento nas Unidades Básicas de Saúde – os antigos postos de Saúde – e nas Unidades de Pronto Atendimento (UPA)”, afirma o secretário.

Fonte: 015 - rondonia ro

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias