Sexta-Feira, 15 de Dezembro de 2017 - 18:04 (Geral)

L
LIVRE

SINGEPERON REQUER ATRAVÉS DO MINISTÉRIO PÚBLICO, INFORMAÇÕES DA SEJUS SOBRE O PROCESSO SELETIVO EMERGENCIAL

Ronaldo Rocha, diretor social da categoria cobrou explicações sobre os concursos públicos realizados anteriormente.


Imprimir página

A assessoria jurídica do Sindicato dos Agentes Penitenciários e Socioeducadores de Rondônia, Singeperon, protocolou esta semana, um ofício junto ao Ministério Público de Rondônia, relatando a falta de informações da Sejus sobre o possível processo seletivo emergencial para contratação de servidores no sistema penitenciário e/ou socioeducativo, fato que gera grande instabilidade nos sistemas.

As informações foram solicitadas pela diretoria sindical junto a Sejus em agosto deste ano, mas até o momento não obteve resposta. Agora, os esclarecimentos serão solicitados pelo Ministério Público do Estado, que pode inclusive conduzir inquérito civil com esse propósito. A ausência de resposta e de motivação quanto aos atos praticados pela Sejus, viola o Regime Jurídico Administrativo, bem como os Princípios Republicanos, isso por que impede a clareza das atividades desenvolvidas no setor público impossibilitando o indispensável debate prévio com o Singeperon.

Ronaldo Rocha, diretor social da categoria cobrou explicações sobre os concursos públicos realizados anteriormente. “´É um absurdo que candidatos aprovados no concurso, tenham realizado academia de formação em tempo integral e não foram convocados, sendo que eles até abandonaram seus empregos e amargam prejuízos, prova da falta de compromisso desse Governo com a categoria, e isso precisa ser revisto. ” Conclui Ronaldo Rocha.

Ainda de acordo com o ofício, a contratação emergencial despreza a convocação por meio de concurso público, e dessa forma pode agravar ainda mais a situação nos sistemas, já que tratam de atividades de extrema responsabilidade, que interfere diretamente na segurança e vida dos presos, adolescentes internos, visitantes, dos próprios servidores e de toda a população.

RETROCESSO:

Outro assunto relatado pela assessoria jurídica, é em relação à postura do Governo do Estado, que enviou silenciosamente um projeto de lei visando à extinção da Secretaria de Justiça, reduzindo-a a uma Superintendência subordinada à Segurança Pública, fato que na opinião da diretoria sindical, e até de Promotores do próprio MP, que debateram o assunto na Assembléia Legislativa, significa um retrocesso. Diante dessa postura de envios de projeto de leis sem debate prévio, o Singeperon entendeu por bem denunciar com antecedência ao MP, a possível contratação emergencial de servidores.

Fonte: 010 - ASCOM/Singeperon

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias