EFE
 

"Para algumas crianças, o primeiro TCE se deve à queda de uma cama, na idade em que começam a se virar. Posteriormente, devido a sua natural e ilimitada curiosidade, começarão a explorar até o último cantinho da casa, por isso que serão mais propensos aos acidentes", assinala.

"Se sua criança sofreu um golpe na cabeça e para de chorar antes de um quarto de hora, tem uma boa cor, não vomita nem tem outros sintomas, é pouco provável que tenha acontecido uma grande lesão. É preciso permitir-lhe retomar sua vida normal, mas observando-a um pouco mais durante pelo menos 24 horas", explica Miguel.

"Se a criança apresenta um ferimento que sangra abundantemente, é preciso comparecer a um hospital próximo para sua avaliação. Se não há ferimento, para diminuir o tamanho do hematoma basta apertá-lo ligeiramente com um pedaço de gelo envolvido em uma gaze ou pano. Para aliviar a dor podem ser administrados analgésicos como paracetamol ou ibuprofeno", segundo este médico.

O que fazer, o que evitar?

"Se a pancada foi forte, a princípio é conveniente, para observá-la, que a criança permaneça acordada e no caso de dormir, despertá-la a cada 2-3 horas para se assegurar que esteja bem", segundo o pediatra.

O especialista da AEPAP recomenda aos pais que consultem seu pediatra se a criança apresentar qualquer destes sintomas: "Vômitos repetidos, inércia crescente ou dificuldade para despertá-la, dor de cabeça intensa ou dor e dificuldade para movimentar o pescoço, sensação de enjoo progressivo, convulsões ou movimentos estranhos da face e das extremidades".

Também é preciso buscar ajuda médica se ela apresentar: incapacidade para se movimentar, diminuição da força ou sensação de formigamento, alteração do comportamento ou das reações, diferença de tamanho entre as pupilas de ambos os olhos, alterações da visão ou "olhos virados", e se fala de forma estranha ou diz incoerências.

Como evitar o golpe seguinte? Se a criança é pequena, Miguel aconselha mantê-la sempre à vista em casa e na rua levá-la pelas mãos. Se a casa tem escadas, convém pôr uma barreira de proteção. Além disso, os andadores podem ser perigosos, especialmente nas casas com escadas.

"Os berços e as camas elevadas devem ter uma proteção suficientemente alta que evite as quedas. Se a criança é capaz de sair do berço, é que chegou o momento de passá-la para uma cama", aconselha Miguel.

Segundo este pediatra "é preciso seguir estritamente as normas de segurança para o transporte das crianças em automóvel em função de sua idade e peso, e promover o uso do capacete quando andam de bicicleta, skate ou patins, pois este item pode evitar traumatismos cranianos."

"Quanto mais cedo seu filho souber as regras básicas de segurança viária (como e quando atravessar uma rua, entre elas), muito melhor. É preciso procurar prevenir com o exemplo", assinala Miguel.