Quinta-Feira, 01 de Junho de 2017 - 12:09 (Geral)

L
LIVRE

PROMESSA PAGA: APÓS CARREGAR CRUZ DE SÃO PAULO À RONDÔNIA, ANDARILHO A JOGA NO RIO MADEIRA

Desde 15 de Fevereiro de 2016 que Paulo Cícero vinha carregando a cruz, saiu de São Paulo e disse que levaria a cruz para os Estados Unidos.


Imprimir página

Há diversos meses Paulo Cícero de Lima, 55 anos, estava caminhando com uma cruz de 40 quilos sob as costas. O protesto surgiu após ficar 16 anos preso por um crime que não cometeu. Em 1993, ele foi acusado de ter matado uma jovem de 21 anos no interior de São Paulo a marretadas.

“Não fiz aquilo eu estava passando pelo local e a polícia me pegou. Estava com a roupa suja de sangue de uma galinha que tinha matado. Não quiseram me ouvir”, reclama.

Na manhã desta quarta-feira (31), Paulo chegou na cidade de Porto Velho capital do estado de Rondônia. O homem circulou toda a BR 364, e chegou a BR 319, que da acesso á cidade de Humaitá, já no Amazonas, porém ao chegar na Ponte sob o Rio Madeira que liga a cidade Porto Velho ao município amazonense, Paulo decidiu jogar a cruz, de acordo com ele o sonho que lhe foi revelado tinha como destino final a cidade de Porto Velho-RO.

Paulo chegou a confessar em outras entrevistas que o destino final seria os Estados Unidos, mas acabou jogando o objeto religioso no Rio Madeira, principal afluente da capital Rondoniense.

VEJA O MOMENTO EM QUE ELE JOGA A CRUZ

 

Perdas

Paulo deixou a cadeia em 2009. Desde então ele tenta mudar sua história. "Voltei ao local do crime, conversei com as pessoas e muita gente ainda está viva. Fui acusado por um homem que se dizia policial, mas não era. Me contaram que na verdade o assassinato foi um acerto de contas”, explica o homem.

Segundo o Paulo, o protesto surgiu após um sonho. Ele teria que carregar a cruz, no sonho ele era seguindo por uma multidão, ele disse que maior intuito é chamar a atenção da sociedade, e que pretende chegar aos Estados Unidos. E que quando chegar lá pretende falar com o presidente do país.

Fonte: sgc.com.br

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias