Sabado, 20 de Janeiro de 2018 - 10:05 (Colaboradores)

L
LIVRE

POR QUE LULA ESTÁ SENDO JULGADO? O POVO QUER SABER

O servidor público não pode receber presente “dado por pessoa, empresa ou entidade que tenha interesse em decisão da autoridade ou do órgão a que esta pertença”.


Imprimir página

COMISSÃO DE ÉTICA PÚBLICA DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

O QUE VEDA O CÓDIGO DE CONDUTA SOBRE PRESENTES?

O servidor público não pode receber presente dado por pessoa, empresa ou entidade que tenha interesse em decisão da autoridade ou do órgão a que esta pertença”.

Como se pode identificar e saber se o presente oferecido ao servidor público é em razão do cargo da autoridade?

Resposta: De acordo com o Código de Conduta da Presidência da República, tem-se a afirmar:

“Considera-se que o presente foi dado em função do cargo sempre que o ofertante:

a)
estiver sujeito à jurisdição regulatória do órgão a que pertença a autoridade;

b) tenha interesse pessoal, profissional ou empresarial em decisão que possa ser tomada pela autoridade em razão do cargo;

c) mantenha relação comercial com o órgão a que pertença a autoridade;

d) represente interesse de terceiros, como procurador ou preposto, de pessoa, empresas ou entidade compreendida nas hipóteses anteriores”.

QUAIS AS SITUAÇÕES EM QUE O SERVIDOR PÚBLICO PODE RECEBER UM PRESENTE?

Resposta: De acordo com o Código de Conduta da Presidência da República, tem-se a afirmar:

“A aceitação de presente é permitida em duas hipóteses:

a) de parente ou amigo, desde que o seu custo tenha sido arcado por ele próprio e não por terceiro que tenha interesse em decisão da autoridade ou do órgão a que ela pertence;

b) de autoridade estrangeira, nos casos protocolares, ou em razão do exercício de funções diplomáticas”.

POR QUE LULA ESTÁ SENDO JULGADO NESTE DIA 24?

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não está sozinho neste julgamento do dia 24 de janeiro de 2018 e, sim, em companhia de outros, que no entendimento no Processo da Operação Lava-Jato infringiram a COMISSÃO DE ÉTICA PÚBLICA DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, abaixo explicitados.

Ocorrerá um julgamento coletivo nesta sessão do dia 24 pela TRF-4, única matéria prevista para esta data, quando será julgado além da ação proferida em ações da Lava Jato, contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, tem, também, o ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro, condenado em primeira instância a 10 anos e oito meses de prisão; o ex-diretor da área internacional da OAS, Agenor Franklin Magalhães Medeiros, condenado a 6 ano de prisão; e o ex-presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, absolvido pelo Juiz Federal Sérgio Moro, mas quer a troca dos fundamentos da sentença.

Este julgamento se fundamenta em duas pilastras de sustentação em torno de benesses provenientes da empresa OAS, em dois principais pontos de apoio:

A acusação de “benesses” recebidas pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva  que teria recebido da empreiteira OAS - que integrava um grupo de empresas beneficiárias de obras da PETROBRAS e líder do cartel - o Aptº 164-A, TRIPLEX, no Edifício Solares e sua reforma, no total de R$ 3,7 milhões de reais em propina, desta empresa e sua forma dissimulada, em troca de contrato com a PETROBRAS, de acordo com depoimentos nos autos do processo.

O juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba (PR), condenou nesta quarta-feira (12) o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a 9 anos e 6 meses de prisão no caso do triplex em Guarujá (SP), no âmbito da Operação Lava Jato. O ex-presidente respondia pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro por meio do recebimento de R$ 3,7 milhões da empreiteira OAS, por meio de contratos da empresa com a Petrobras. Esse dinheiro, de acordo com a denúncia do MPF (Ministério Público Federal), teria sido repassado a Lula por meio da compra e reforma do apartamento no litoral paulista

Pagamento de transporte e armazenagem do acervo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a empresa Granero, através do Instituto Lula, da importância de R$ 1,3 milhão de reais,  por um período de cinco anos.

VAMOS RECORDAR A HISTÓRIA

Em 15 de março de 1992, o ex-Governador de Alagoas, Fernando Collor de Melo,tomou posse no cargo de presidente da República, eleito numa eleição com dois turnos, disputada em segundo turno contra o ex-metalúrgicoLuiz Inácio Lula da Silva, numa disputa acirrada e recheada com denúncias e manipulações da mídia, com uma votação de trinta e cinco milhões de votos.

O então presidente Fernando Collor de Melo foi denunciado por seu irmão Pedro Collor de Melo, e após investigações realizadas através de uma CPI sofreu um Processo de Impeachment — sendo  afastado do cargo de presidente da República, tendo como estopim um cheque proveniente de uma conta fantasma de PC Farias, amigo e tesoureiro de sua campanha vitoriosa — quando este se prestou para pagar a compra de um Fiat Elba e efetuar o pagamento de uma reformar da Casa da Dinda, residência oficial do então presidente.

Estas provas foram obtidas através da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), responsável em apurar as denúncias deste Processo de Investigação, em 1992, culminando com o Impeachment e afastamento imediato do então presidente Fernando Color de Melo, que tomara posse em 15 de março de 1990, sendo substituído por seu vice-presidente Itamar Franco, que terminou o mandato.

 

Tenham todos um bom dia.

Antônio de Almeida Sobrinho escreve semanalmente nos seguintes Portais de Notícias:

www.rondonoticias.com.br
www.gentedeopiniao.com.br
www.newsrondonia.com.br
www.emrondonia.com.br

e no Blog ESPINHA NA GARGANTA.

Antônio de Almeida Sobrinho é Membro da Academia de Letras de Jaguaruana -ALJ.

Fonte: Antônio de Almeida Sobrinho - News Rondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias