Terça-Feira, 01 de Julho de 2014 - 08:40 (Colaboradores)

O “CONSENTIMENTO DOS GOVERNADOS” E OUTRAS MENTIRAS

Enquanto isso, a administração Obama recorreu à Suprema Corte para contestar uma interpretação da Lei de Proteção aos Delatores, que protege os funcionários estatais que liberam informações ao público.


Imprimir página

Kevin Carson

Notícias recentes demonstram, mais uma vez — se é que era necessário — que o “consentimento dos governados” como legitimação da democracia representativa é impossível e absurdo.

Enquanto isso, a administração Obama recorreu à Suprema Corte para contestar uma interpretação da Lei de Proteção aos Delatores, que protege os funcionários estatais que liberam informações ao público.

A legislação da Carolina do Norte não é novidade. Ela segue o exemplo das legislações de outros estados americanos que tornam crime a filmagem de tratamentos cruéis aos animais e outras práticas antiéticas do agronegócio. Também se deve lembrar que a BP,depois da explosão da plataforma de petróleo Deepwater Horizon, se recusou a divulgar a composição dos agentes de dispersão que estava jogando no Golfo do México afirmando que eram “informações proprietárias”.

Primeiramente, o próprio conceito de “informação proprietária” é absurdo. E é triplamente absurdo quando uma empresa pode utilizá-lo como escudo legal para jogar toneladas de substâncias tóxicas no oceano e nos lençóis subterrâneos, podendo contaminar nossos aquíferos, sem dizer o que estão fazendo. Não só a liberação dessas informações não deveria ser crime, mas em uma sociedade livre, os habitantes locais poderiam — e deveriam — exigir divulgação imediata das substâncias jogadas no ar e na água pelas empresas de energia em um processo civil, podendo fechá-las imediatamente se elas se recusarem a obedecer.

A posição do Departamento de Justiça da administração Obama também é familiar. Obama tem um histórico pior que o de George W. Bush de perseguição de delatores e de sabotagem velada aos pedidos da Lei da Liberdade de Informação. O governo de Obama também condenou Chelsea Manning a 30 anos na Penitenciária de Leavenworth — por ter revelado ao povo americano os crimes de guerra e a desonestidade diplomática que caracteriza o “nosso” governo — e persegue Edward Snowden até os confins do mundo por ter feito revelações similares sobre a vigilância da NSA.

Um conceito importante na teoria organizacional, ao considerar o relacionamento de poder entre um diretor e um agente é o risco moral. Quanto menos informações os diretores têm a respeito das ações dos agentes, há mais espaço para o risco moral — isto é, para que o agente tire vantagem das informações limitadas de que o diretor dispõe e promova seus próprios interesses pretendendo servir ao diretor. Quanto menos o diretor sabe sobre o que o agente faz, menos importante é sua posição de gerência.

O problema do risco moral ocorre em todas as relações entre agentes e diretores e se torna mais severo com a diminuição do conhecimento dos diretores a respeito das atividades diárias dos agentes. O resultado em todas as instituições representativas é o que Robert Michels chamou de Lei de Ferro da Oligarquia: a tendência de o poder ser transferido dos delegadores aos delegados, dos diretores aos agentes, dos eleitores aos representantes. Não importa quem sejam os agentes em posições de liderança que uma instituição afirme representar — eleitores, acionistas ou qualquer outro grupo —, seu acesso a informações internas e seu controle sobre a execução dos planos efetivamente anula qualquer controle real que aqueles de fora afirmem ter.

Essas notícias recentes demonstram amplamente esse fato. Como afirmou Marja Erwin em resposta a alegações de que Chelsea Manning fosse uma “traidora” por divulgar segredos governamentais ao público (para o qual o governo deve explicações, em tese), “consentimento requer igualdade. Enquanto o estado mantiver segredos e tiver poder sobre os governados, não há possibilidade de consentimento ou legitimidade”.

A não ser em uma democracia direta em que todas as decisões sejam tomadas diretamente pelos governados, é impossível conceber um governo ou instituição representativa que não controle as informações disponíveis aos “representados”. A maior expressão da democracia direta é uma sociedade sem estado e instituições hierárquicas, onde todas as decisões sejam tomadas pelos indivíduos ou por associações voluntárias dos afetados por elas.

Traduzido para o português por Erick Vasconcelos

Fonte: Erick Vasconcelos

Noticias relacionadas

Banner Ale

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias