Quinta-Feira, 12 de Outubro de 2017 - 09:01 (Colaboradores)

L
LIVRE

MEIO SÉCULO DEPOIS, O QUE A VERDADEIRA HISTÓRIA ENSINA SOBRE CHE GUEVARA?

PERGUNTINHA: Enfrentar a Argentina de Leonel Messi na Copa do Mundo de 2018, será moleza ou vamos começar desde agora a nos preocupar se tivermos que jogar contra nossos Hermanos, que chegaram lá apenas na última rodada das Eliminatórias?


Imprimir página

 

 

Cinquenta anos depois da sua morte, Che  Guevara é ainda motivo de discussões, debates, ataques e contra ataques nas redes sociais e na mídia. Agora mais ainda, pela radicalização que volta a envolver  a esquerda e a direita extremistas, que consideram que, afora as teorias delas, não há salvação.  Entre seus admiradores, na verdade cada vez em menor número, ainda vive o mito criado por escritas de ficção, que transformaram em herói um homem que morreu jovem e que, em nome do seu sonho de revolucionário,  acabou cometendo muitos erros.  Para a esquerda, um herói inesquecível, o campeão mundial em camisetas vendidas, o homem bondoso da frase “há que se endurecer, mas sem perder a ternura jamais!” Para a direita, um psicopata assassino, que curtia fuzilar pessoalmente os inimigos da Revolução Cubana; que jamais deu a qualquer um deles o direito de defesa; que discriminava negros, odiava homossexuais e atirava em cães pelas ruas, apenas para vê-los agonizar. Logicamente que Che Guevara foi tudo isso,  a soma de algumas boas ideias com a prática da violência, mas não foi pior do que muitos ditadores, como seu próprio mentor, Fidel Castro ou figuras do nazismo e do comunismo; da esquerda ou da direita, que praticaram vários crimes, alguns contra a Humanidade, em nome de suas ideologias. Mesmo que se tente criar a História sempre com manipulação e de acordo com os interesses de quem a conta, é bom que se diga, aí sim, para repor a realidade: não há extremismo positivo, assim como não há  perdão para criminosos que dizimaram algumas dezenas, alguns milhares ou alguns milhões, escondendo-se atrás de suas crenças políticas. 

 

 

 

 

 

 

Che Guevara, em nome de suas crenças e convicções, tratou seus adversários com extremismo e crueldade. Nada de ternura!  Usou sobre eles a Foice da Morte, escudando-se  na sua ideologia e imaginando que isso lhe daria o perdão da História. Mas a Verdadeira História é implacável. Os grandes ditadores, os ceifadores da Vida, não importa atrás de que pensamentos ou ideologias, se mortos ou vivos, enquanto a Humanidade existir, terão que prestar contas ao julgamento da Verdade Inexorável. Foram sim assassinos. Exterminadores. Foram sim inimigos do espírito humanista e solidário, que deveriam sempre nortear o Mundo. Che Guevara, mesmo um personagem menor, não escapou do duro tacão da História. Não importa sob que motivação; sob que argumentos; sob que visão de mundo: ele e todos como ele, de esquerda ou de direita, vão virar lixo da História, porque quando viveram, viveram para si mesmos e suas crenças e nunca para a Humanidade. Meio século depois, vão-se embora a poesia inventada e a beleza que nunca existiu e, no seu lugar, bate o martelo duro da realidade. As camisetas mentiam! E ainda mentem...

CARAS NOVAS AO GOVERNO

Dois jovens estão entrando para a política e já pensando alto. Ambos estão sendo lançados por seus partidos como pré candidatos ao Governo do Estado. Vinicius Raduan, professor da Unir, foi anunciado pela Rede de Sustentabilidade, a rede de Marina Silva, como a novidade na corrida pelo governo rondoniense. De outro lado, representando as novas cabeças do empresariado, o PSL trouxe a público duas pré candidaturas de caras que praticamente nunca se ouviu falar, dentro da política, embora ambos já se destaquem em suas atividades privadas. O jovem Augusto Peluccio, à frente do grande grupo educacional da sua família e muito atuante em entidades de desenvolvimento do empresariado. O nome escolhido para formar chapa com ele foi de outro personagem da nova geração que é muito conhecido na região central do Estado. Trata-se de Hugo Lopes de Araújo, presidente da Associação Comercial e Industrial de Ji-Paraná. O discurso de ambos os partidos é de colocar sangue novo da política e, ao mesmo tempo, qualificar o debate. Por enquanto, as duas pré candidaturas, é claro, são vistas com ceticismo. Mas é sempre bom lembrar que o eleitor anda ávido por caras e discursos novos. Portanto, é bom ficar de olho nessas caras novas...

OS PLANOS PARA 2018

Movimentações nos bastidores da política, indicam que está mudando o número de deputados estaduais que não concorrerá à reeleição. Há pelo menos quatro que podem deixar a disputa pelo parlamento, para alçar novos voos. O presidente Maurão de Carvalho vai concorrer ao Governo. José Lebrão tem falado seguidamente que pode abandonar a política, embora não tenha batido o martelo, porque ouve todos os dias inúmeros pedidos, principalmente de sua base eleitoral (São Francisco do Guaporé e toda a região), para que concorra novamente. Hermínio Coelho, um nome muito forte na Capital, que hoje está no PDT, anda pensando seriamente em uma cadeia na Câmara Federal. É o mesmo caminho que pode seguir o jovem deputado Léo Moraes, nome consolidado na Capital. O que seria o quinto elemento, Adelino Follador, o campeão de votos na última eleição, estava pensando também no Congresso Nacional, mas já mudou de planos. Vai mesmo é buscar mais um mandato, porque seu candidato à Câmara Federal será seu filho, o jovem Lucas Follador, atual vice prefeito de Ariquemes.

A BATALHA SERÁ DURA

Praticamente todos os demais deputados estaduais, até agora, demonstraram interesse na disputa por mais um mandato. Alguns como Edson Martins vão buscar seu quarto período na Assembleia Legislativa. O petista Lazinho da Fetagro, que está tendo um mandato bastante produtivo, também anda otimista com a possibilidade de retornar em 2019. Da região da Capital, onde tiveram maior votação,  Jesuíno Boabaid, Aélcio da TV, Ribamar Araújo, Anderson Pereira e o próprio Edson Martins, que tem trabalhado muito por Porto Velho, querem voltar e estão dando duro, embora reconheçam a enorme concorrência que terão na corrida eleitoral do ano que vem. O deputado Airton Gurgacz vai em busca de novo mandato, até porque vai trabalhar duro para eleger seu sobrinho, Acir Gurgacz, para o Governo. Da região de Ji-Paraná, Laerte Gomes é igualmente um nome quentíssimo para voltar à ALE. O Dr. Neidson, da região de Guajará, é outro que já está na batalha pela busca de um segundo mandato, assim como Cleiton Roque, eleito pela região de Pimenta Bueno (marido da atual prefeita, Juliana Roque) e que tem se destacado na Assembleia. . Os atuais parlamentares estão dando duro, até porque sabem que haverá mais de 10 oncorrentes para cada uma das cadeiras do parlamento. 

VILHENA E O CONTO DO VIGÁRIO

O tema corrupção ainda rende. O site UOL continua divulgando dados de roubalheiras país afora e, é claro, Rondônia não ficou de fora. Outra cidade citada no material sobre o complexo tema é Vilhena, no Cone Sul do Estado, uma das campeãs nacionais em ações da Polícia Federal. Foram sete em dois anos, com inúmeras prisões e a descoberta de vários grupos que assacaram contra os cofres públicos. Pelas informações do UOL, as quadrilhas de políticos e bandidos ou bandidos/políticos se concentraram naquela progressista cidade, para tirar dela tudo o que pudessem. Há anos as denúncias e escândalos se sucedem e, quando se imagina que as ações policiais e as descobertas de crimes e criminosos vão inibir novos achaques aos cofres públicos, surge novo grupo para continuar cometendo delitos. Claro que na maioria dos casos a população não tem culpa, porque os gaviões se apresentam nas campanhas como cordeiros, mas quando se elegem, claro que não todos, porque há sim muita gente séria na política local (Luizinho Goebel é um bom exemplo disso!), tratam de mostrar suas verdadeiras faces de ladrões e corruptos. Mas o eleitor de Vilhena já deveria estar acostumado e experiente, na hora de votar. Não é possível continuar caindo, a cada eleição, no conto do vigário. Lamentável!

VÍTIMAS DA SOCIEDADE

Cena idílica, comemorada pelos defensores dos direitos humanos dos bandidos e criminosos, mas que, de outro lado, nada tem de belo e, pelo contrário, enoja a grande maioria dos brasileiros: duas assassinas saindo, lépidas e faceiras, de dentro de um presídio, para “comemorar”, em liberdade, o Dia das Crianças. Não seria menos terrível se uma delas,  Ana Carolina Jatobá, não estivesse presa exatamente por ter matado uma criança, a menina Isabela Nardoni,  sua enteada. A outra é a maravilhosa Suzane Von Richthofen, que liderou o assassinato dos pais e que já recebeu tantas regalias que passa muito tempo fora da cadeia. No país dos mais de 55 mil assassinatos por ano, esse tipo de impunidade e benefício a criminosos cruéis serve, é claro, para incentivar o crime e deixar claro que se pode fazer o que quiser contra quem quiser, que sempre será tratado como vítima da sociedade. E terá proteção de leis ridículas, canalhas, protetoras de gente que representa o o que de pior tem nosso país. Um horror!

UMA VIDA ENTREGUE AOS OUTROS

Henrique Prata é o responsável por toda a gigantesca estrutura do Hospital de Câncer de Barretos e também do Hospital de Câncer da Amazônia, sediado em Porto Velho. É um sujeito que espalha bondade e luz por onde passa. Sua criação tem sido responsável por salvar milhares e milhares de vidas, em todos os recantos desse país e principalmente em Rondônia, onde o índice de pessoas afetadas pela terrível doença é assustador. Prata dedica sua vida aos outros. Precisa melhor credencial? Pois nessa próxima segunda, dia 16, a partir ds 19 horas, ele lança mais um livro, na Capital, contando a história que norteia sua vida. Com o título de “A Providência” e o subtítulo de “Os milagres que levam a filosofia do Hospital do Câncer de Barretos para todo o Brasil!”, a publicação já foi lançada em outros Estados e é, claro, com grande sucesso. Os rondonienses que apoiam e participam dessa causa nobre, estão convidados a invadir a Livraria Leitura, no Porto Velho Shopping, para participar do lançamento do livro e prestigiar mais essa ação de Henrique Prata. Ir lá é retribuir, ao menos um pouco, do muito que essa grande personalidade tem feito por nossa terra e por nossa gente...

PERGUNTINHA

Enfrentar a Argentina de Leonel Messi na Copa do Mundo de 2018, será moleza ou vamos começar desde agora a nos preocupar se tivermos que jogar contra  nossos Hermanos, que chegaram lá apenas na última rodada das Eliminatórias?

Fonte: Sergio Pires/newsrondonia

Noticias relacionadas

Banner Ale

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias