LENHA NA FOGUEIRA, POR ZÉ KATRACA - News Rondônia Mãe Preta Adelicia, Tambaqui de Ouro, Anita, Maria Eunice e tantas outras como boate da Iracema.

Porto Velho,

Terça-Feira , 19 de Fevereiro de 2013 - 08:30 - Colaboradores


 

LENHA NA FOGUEIRA, POR ZÉ KATRACA

Mãe Preta Adelicia, Tambaqui de Ouro, Anita, Maria Eunice e tantas outras como boate da Iracema.

ImprimirImprimir página

Deu na coluna do Carlos Sperança:


O Putódromo


Esta surgindo o embrião de um “putódromo” em Londrina (PR), por iniciativa do vereador Roberto Fu (PDT). Ele quer um espaço próprio para a prática do lenocínio na cidade, afastando prostitutas, gays e travestis que exercem a profissão, dos bairros residenciais e da região central. A polêmica é grande.


Isso nos fez lembrar o que aconteceu em Porto Velho com os “puteiros”, que tiveram que sair do centro da cidade na década sessenta.


O compositor Bainha na música “Tempo Bom”, que é mais conhecida como “Sou da Sete de Setembro”, cita as casas de prostituição que existiram em nossa cidade desde a década de quarenta como. 


Mãe Preta Adelicia, Tambaqui de Ouro, Anita, Maria Eunice e tantas outras como boate da Iracema.


Quando alcancei a adolescência, passei a frenquentar as casas de prostituição que naquele tempo, também eram conhecidas como “Casa de Mulher Solteira”.


A maioria ficava no espaço das ruas: D. Pedro II (Anita e Maria Eunice); Afonso Pena: (Tambaqui de Ouro, Madame Elvira (Tartaruga) e Mãe Preta), A Deusa era na Joaquim Nabuco já pro lado do Batuque de Santa Bárbara nas proximidades da hoje rua Bolívia. Tinha o “puteiro” da Adelicia o único fora da rota, porque ficava no bairro da Olaria.


Com o crescimento da cidade (naquele tempo Porto Velho só ia até a Joaquim Nabuco), as autoridades acharam por bem acabar com os lupanares do centro da cidade.


Era o tempo do garimpo manual de cassiterita e a cidade chegou ao que ficou conhecido como Trevo do Roque com a rua Kennedy (hoje Jorge Teixeira) aberta. Ali foram abertas novas casas. Como Eldorado, Bar da Brahma e muitas e muitas outras. Era um burburinho só, durante a noite.


E a cada crescimento da cidade essas casas foram sendo fechadas ou levadas para mais longe, ao ponto de fecharem de vez. A única casa de prostituição daquela época que ainda funciona é a Boate Nova Olinda mais conhecida como Maria Eunice que fia a rua D. Pedro II esquina com a Tenreiro Aranha.


Uma coisa foi observada na época que acabaram com as casas de prostituição.  Porto Velho passou a registrar grande ocorrência de estupro. A moçada não tinha onde procurar prazer e então pegava as meninas que saiam dos colégios e mandavam ver.


Agora vem a notícia de que esse vereador do Paraná está querendo implantar o “Putodromo”, tomara que a idéia pegue. Quem vai gostar caso isso venha acontecer também em Rondônia, é meu amigo que tem grande “talento” para freqüentar esse tipo de casa.


Antes que alguém cobre a falta da citação da Taba do Cacique, esclareço: A Taba do Cacique nunca foi “puteiro”, era um restaurante que após as 23h00 se transformava em boate frequentada pelas mulheres solteiras que moravam nas “Pensões” que fechavam a meia noite.


Uma das profissões mais antigas do mundo é a de Prostituta, por isso essas profissionais merecem todo nosso respeito.


Curta Amazônia.


Com determinação e persistência a organização do mais novo empreendimento cultural de Rondônia, o 4º Festival de Cinema Curta Amazônia, informa que estão abertas as inscrições de filmes a partir de fevereiro até o dia 20 de abril de 2013. Mandem seus filmes em DVD ou pen-drive e faça parte desse importante evento cultural aqui em Porto Velho -Rondônia - Amazônia - Brasil. Festival que acontece de 3 a 8 de junho em Porto Velho, durante 6 dias.


As produções podem ser brasileiras e estrangeiras, esse ano estamos abrindo a categoria de média-metragem, atendendo inúmeras solicitações de realizadores no ano passado. O Festival avança na busca incessante de sua consolidação, criando janelas alternativas de exibição de filmes independentes dos nossos diretores e realizadores que acreditam que é possível fazer filmes de qualidade nesse país plural, fortalecendo a cadeia produtiva do Cinema Brasileiro.


Os filmes que estarão concorrendo na Mostra Competitiva devem ser produzidos a partir de 1º de janeiro de 2008, filmes de longa, média e curta-metragem, nos gêneros de animação, experimental, documentário e ficção, além da categoria vídeo-clipe com produção até 5 minutos.


Para conhecimento de todos, os filmes de curta-metragem devem ter a duração até 15 minutos já inclusos os créditos, os filmes de média-metragem com duração até 69 minutos e os de longa-metragem acima de 70 minutos até 90 minutos, padrão adotado pela Agência Nacional de Cinema, a Ancine.


Informações sobre a ficha de inscrição e regulamento no site oficial do evento www.curtamazonia.com.


A Golda e o Levy são os organizadores do Festival Curta Amazônia.

Fonte: Zé Katraca

Comentários do Facebook

Comentários

Enviar comentário

Veja Também

Publicidade