Quarta-Feira, 18 de Outubro de 2017 - 18:39 (Colaboradores)

L
LIVRE

JOVEM PODE SER O NOVO NOME DAS ARTES PLÁSTICAS EM RONDÔNIA

Rita Queiroz descobre um novo talento nas artes plásticas, trata-se de Aline Guimarães, uma jovem do ensino médio, que segundo Rita 'tem o talento de uma grande artista'.


Imprimir página

Aline Viana Guimarães é uma estudante do terceiro ano do ensino médio na Escola Risoleta Neves, que neste mês de outubro completa 18 anos. A jovem demonstra um talento especial para a pintura e está sob a tutela da veterana pintora Rita Queiroz.

Empolgada com o talento até então desconhecido, a menina conta que a professora de Língua Portuguesa, Laila Duarte, passou uma atividade para a turma sobre o movimento cultural brasileiro. Os alunos podiam escolher entre pintura ou literatura, como gostava do quadro Antropofagia de Tarsila Amaral, a estudante resolveu que tentaria uma releitura do mesmo. Conta que foi bastante difícil desenhar e depois de várias tentativas já estava para desistir, mas naquela que estabeleceu que seria a última tentativa obteve êxito, ganhou os três pontos destinados a tarefa e o pedido da professora que queria ficar com a pequena tela.  Sorte dela que disse não e o expôs no restaurante administrado pela família, na rua  Getúlio Vargas.

Foi lá que na hora do almoço, Rita viu o quadro pela primeira vez e intrigada pela qualidade quis saber quem era o autor ou autora, apresentada a Aline, ofereceu-se para ensinar-lhe as técnicas que utiliza e conta que ficou impressionada pela capacidade de percepção da estudante. “Esta jovem tem um perfil artístico muito forte e tem chances de ser uma grande artista”, comemora a professora. 

A primeira missão designada por Rita para Aline foi uma releitura das baianas, o que segundo Rita, ela fez com perfeição. A menina está aprendendo técnicas com tinta óleo e espátula.

A menina está se preparando para estudar Medicina Veterinária, mas diz que a pintura agora também é parte dos seus sonhos. Em três meses de estudos já produziu treze telas. Conta que a maioria das pessoas tem elogiado o seu trabalho e algumas têm até desejado comprar, mas que ela ainda não se sente completamente segura para negociar seus trabalhos. Quanto a rotina, ela diz que não mudou muita coisa na sua vida, com exceção das manhãs, que agora são dedicadas ao aprendizado das artes plásticas. Diz também que às vezes fica ansiosa para terminar um trabalho e ver como ele ficará ao final.

Para Rita Queiroz, a descoberta de Aline foi algo extraordinário que ela sentia, já há algum tempo, a necessidade de transmitir a outra pessoa, pelo menos parte daquilo que tem direcionado a sua vida por tanto tempo. E sugere que o governo do Estado desenvolva um projeto para a instalação de uma oficina de artes plásticas para oportunizar meninos e meninas que tem o talento para a arte, mas que não podem pô-lo em prática, seja pela falta de recursos ou de orientação. “Como a Aline, eu acredito que em nossas escolas têm muitos jovens talentosos que precisam ser descobertose receberem a chance de mostrar do  que são capazes”, conclui.

Fonte: Alice Thomaz - News Rondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias