Sexta-Feira, 12 de Janeiro de 2018 - 19:05 (Cidades)

L
LIVRE

APÓS PROCESSO DE AMIGO, BRUNO BORGES (MENINO DO ACRE) VAI VENDER NOVAS EDIÇÕES A PREÇO DE CUSTO

A informação foi publicada nesta sexta-feira, dia 12, pelo site G1, da Rede Globo, veículo ao qual a família de Bruno Borges, e o próprio estudante, dão preferencia na hora de conceder entrevistas que citam o rapaz. Um print foi publicado pelo site, passado pelo pai de Bruno, Athos Borges.


Imprimir página

Bruno Borges, também conhecido como “Menino do Acre”, vai vender as edições 2 e 3 da série literária criada por ele a preço de custo. A primeira edição, lançada no ano passado, não vingou. Bruno, agora, é processado por um amigo porque não dividiu o dinheiro ganho com as vendas.

A informação foi publicada nesta sexta-feira, dia 12, pelo site G1, da Rede Globo, veículo ao qual a família de Bruno Borges, e o próprio estudante, dão preferencia na hora de conceder entrevistas que citam o rapaz. Um print foi publicado pelo site, passado pelo pai de Bruno, Athos Borges.

“Você vai dizer que vai publicar todas as minhas obras gratuitas, e que tudo o que eu escrever irá ser gratuito pelo resto da minha vida (…) Minha vontade é que seja tudo de graça. Eu sempre quis isso, eu falava isso pro Marcelo antes de me isolar. Eu acho que errei e quero consertar esse erro. Dinheiro nenhum vale a pena assim. Não tenho nem coragem de dizer para as pessoas que essa era minha missão. Nem eu acredito mais tanto nisso”, disse Bruno.

PROCESSO NA JUSTIÇA

Márcio Gaiote, amigo de Bruno, é um dos beneficiários das vendas dos livros, e havia até contrato descoberto semanas após o sumiço, pela Polícia Civil. Pelas normas do documento, Gaiote receberia 4% do lucro bruto das vendas, tudo depositado em conta bancária, após prestação de contas mensal. Mas isso nunca aconteceu, e, claro, Márcio não perdeu tempo e foi à Justiça.

Os advogados de Márcio pediram à 2ª Vara Cível da Comarca de Rio Branco, que as contas das editoras Saraiva e Arte e Vida tenham os valores devidos bloqueados pelo Banco Central, garantindo assim que o cúmplice de Bruno Borges possa receber o que lhe é de direito. Apenas no primeiro mês de vendas, o “menino do Acre” pode ter lucrado mais de R$ 420 mil.

Acontece que a juíza Thais Kalil, a mesma que bloqueou o dinheiro da TelexFree para evitar prejuízos aos que mantinha contrato com a empresa, simplesmente não aceitou o bloqueio solicitado por Gaiote, e mandou intimar Bruno Borges, que recebeu prazo de 15 dias para prestar contas do dinheiro que recebeu e , após isso, se manifestar sobre as acusações.

Fonte: 010 - ac24hororas

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias