Sexta-Feira, 22 de Novembro de 2019 - 17:27 (Polícia)

14
Não recomendado para menores de 14 anos

ALUNO AGRIDE NAMORADA EM SALA E ESCOLA DIZ QUE 'É BRIGA DE CASAL'

A direção orientou os pais que não registrassem um boletim de ocorrência, pois o caso seria resolvido na escola


Imprimir página

Um jovem de 16 anos agrediu e ameaçou sua namorada de 16 anos, nesta sexta-feira (22/11/2019), dentro de uma sala de aula. Ambos são alunos da Escola Estadual José Maria Hugo Rodrigues, em Campo Grande (MS). Outros alunos foram ameaçados ao tentar defender a vítima. As informações são do portal Campo Grande News.

Testemunhas informaram que o agressor entrou na sala de aula e bateu no rosto da menina. “Voou até sangue”, afirmou um dos alunos que estavam na sala do segundo ano do Ensino Médio na hora do crime. O namorado também jogou uma garrafa de água na direção da vítima.

O agressor afirmou que iria matá-la quando ela saísse da escola. Alunos que estavam no local tentaram proteger a menina criando uma barreira, porém o adolescente chutou e arrombou a porta para tentar agredir novamente a menina. A direção foi acionada.

Após o ocorrido, que aconteceu antes do início da aula, o menino se sentou no pátio e, em seguida, pegou sua mochila e saiu do local. Testemunhas informaram que a coordenação afirmou que “não poderia fazer nada além de expulsar o agressor, porque aquilo era uma briga de casal e nisso eles não podem interferir”.

A direção da escola orientou os pais que não registrassem um boletim de ocorrência, pois o caso seria resolvido na escola. Após ser informada sobre o ocorrido, a Secretaria Estadual de Educação (SED) afirmou que ouviria a direção.

Os pais

Por conta das ameças, os alunos acionaram seus pais e relataram o caso nas redes sociais. “Todos nós, alunos, estamos refém dele”, afirmou uma aluna que após o ocorrido pediu para sua mãe ir busca-la.

Os pais reclamaram da falta de atitude da escola e cobram da direção um posicionamento. “O menino foi embora e ficou por isso mesmo. Eles também falaram que não podia fazer boletim de ocorrência porque é coisa de casal”, disse a mãe de um dos alunos.

Fonte: 015 - Metrópoles/CAROLINA VASCONCELOS

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias